Quanto Custa Um Ataque do Vírus Zika?

Compreender o real impacto económico sob vários cenários hipotéticos e com diferentes taxas de infeção do Vírus Zika, levaram um grupo de investigadores dos Estados Unidos a desenvolver um novo modelo supercomputacional que permitisse determinar o custo de uma epidemia para a sociedade de acordo com o grau de severidade de cada ataque.

O novo modelo supercomputacional desenvolvido pela equipa de investigadores da Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health (JHSPH), Bruce Lee, e da Yale School of Public Health, Alison Galvani, e colegas,  demonstra a carga económica que o Vírus Zika pode alcançar ao afetar um País. O estudo incidiu nos seis Estados mais vulneráveis dos Estados Unidos e o novo modelo de supercomputação descrito nas Doenças Tropicais Negligenciadas no PLOS, deu como resultado face às diferentes taxas de infeção introduzidas no supercomputador, custos totais na ordem dos US $274,6 milhões a mais de US $2 bilhões, segundo notícia do Supercomputingonline News.

Nos seis estados, foi calculado que uma taxa de ataque de 0,01% custaria à sociedade US $183,4 milhões, incluindo custos médicos diretos e perda de produtividade, causando mais de 7.000 infetados, dois casos de microcefalia e 4 casos de Síndrome de Guillan-Barré. Uma taxa de ataque de 0,025% custaria US $198,6 milhões, 0,1% custaria US $274,6 milhões, 1% custaria US $1,2 bilhões e causaria mais de 704.000 pessoas infetadas, 200 casos de microcefalia e 423 casos de Síndrome de Guillan-Barré e 2% excederia os US $2 bilhões.


Créditos imagem: The Washington Post

Comparativamente, a taxa de ataque de Zika na Polinésia Francesa através do Vírus Chikungunya – um vírus similar – e em Porto Rico, ultrapassou os 10% em ambos os locais. Os números relatados no estudo destas duas áreas não incluem o potencial impacto no turismo ou viagens, nem qualquer impacto associado à perda de produtividade e custos médicos, também estes associados ao medo do Zika, ou de familiares e amigos estarem infetados, segundo noticiou o Supercomputingonline News.

Alabama, Flórida, Louisiana, Mississipi, Geórgia e Texas são os seis Estados que correm maior risco de infeção nos Estados Unidos, no entanto, desde 2015 que o mundo assiste à propagação de uma estirpe do Vírus Zika e têm sido relatados casos em mais de 40 países, incluindo os Estados Unidos.

Associado à versão mais grave de Síndrome de Guillain-Barré e a graves defeitos de nascimento, vários são os sintomas que uma pessoa afetada pelo Vírus Zika apresenta, nomeadamente febre, dores musculares e de articulações, dores de cabeça, cansaço físico e mental, vermelhidão e sensibilidade nos olhos, que se repercutem diretamente nos custos médicos e na produtividade dos indivíduos.

“Como pretendemos ser conservadores nas nossas estimativas, o nosso modelo em muitos aspectos pode subestimar a carga econômica do Zika”, dizem os investigadores. “As nossas análises indicam que a saúde e o peso da carga econômica, mesmo com uma taxa baixa de ataque do Zika, seriam substanciais e duradouras no continente Americano.”

Quer explorar a Supercomputação na sua organização?

Nome*
Email*
 

Telefone*
Descrição*

*Campos obrigatórios