ERC premeia novamente investigador português

Vítor Cardoso, investigador do Instituto Superior Técnico (IST), ganha uma bolsa de investigação do European Research Council (ERC) pela segunda vez. Segundo Vítor, a supercomputação é uma ferramenta fundamental para a equipa que lidera e que recebe agora 1,5 milhões de euros para a investigação na área da astrofísica.

blackhole_corpo

Vítor Cardoso, professor no IST, recebeu no início deste ano de 2015 uma Consolidator Grant atribuída pelo European Research Council, como reconhecimento do seu projeto, também premiado pela mesma instituição em 2010 com uma Starting Grant.

Vítor Cardoso lidera uma equipa de investigadores no CENTRA, uma unidade de investigação do IST que se dedica, entre várias coisas, a estudar buracos negros e ondas gravitacionais. Com a Consolidator Grant atribuída no início deste ano, Vítor Cardoso terá 1,5 milhões de euros disponíveis para a continuação do projeto DyBHo, o primeiro projeto premiado com uma Starting Grant da ERC.

Um dos “membros” da sua equipa é o Baltasar, o supercomputador que também fez parte do projeto DyBHo. Segundo a informação disponível na sua página, apesar de ter sido concebido para responder a uma necessidade específica, a sua capacidade excedeu as expetativas da equipa, que considera o Baltasar um “all-around cluster”. A sua importância no projeto é também mostrada por Vítor Cardoso, que referiu, numa notícia sobre o prémio, que os cálculos que demoraram meses a serem feitos no Baltasar, levariam anos a serem feitos num computador dito “normal”.

O Baltasar pertence ao GRIT (Gravitation in Técnico), um dos três grupos que compõem o CENTRA, que se foca no estudo dos buracos negros, tendo em conta a Teoria da Relatividade de Einstein e teorias gravitacionais.

Quer explorar a Supercomputação na sua organização?

Nome*
Email*
 

Telefone*
Descrição*

*Campos obrigatórios